Projectos  
     
 

1.1.
Projecto «Turma Piloto de LGP»

Este projecto visa construir materiais científicos e pedagógicos bilingues (língua portuguesa / língua gestual portuguesa) para o ensino a distância de uma Turma de Surdos a frequentar a Licenciatura PRO_LGP.

Coordenação do Projecto:

Alexandre Castro Caldas
Ana Mineiro
Maria Vânia Nunes

Este projecto é financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito dos Projectos Educação.

1.2.
Projectos submetidos à Fundação para a Ciência e a Tecnologia, no Concursos Todos os Domínios Científicos, 2008 e 2009

1.2.1.
Projecto «Pensar, aprender e falar como um Surdo - Thinking, Learning and Talking in the Deaf Way» , Refª PTDC/CLE-LIN/101816/2008

Resumo

Durante largos anos acreditou-se que as línguas gestuais não eram verdadeiras línguas naturais, ou seja, não eram sistemas linguísticos estruturados, sendo, por isso, relegadas para segundo plano e etiquetadas de sistemas pantomímicos de comunicação. Quando Stokoe, num trabalho seminal (1-St78-60) provou que as línguas gestuais são verdadeiros sistemas linguísticos sofisticados e estruturados, abriu-se uma nova linha de investigação, impulsionada por Poizner, Klima e Bellugi (2-PoKIBe90), na tentativa de descobrir as semelhanças e as diferenças entre as línguas de modalidade oral e as línguas de modalidade gestual, não só na vertente linguística (descrição, classificação e análise dos dados linguísticos recolhidos) mas também na vertente neurolinguística, tentando captar as diferenças e as semelhanças cerebrais no que concerne à linguagem entre surdos e ouvintes. Esta investigação foi maioritariamente realizada por ouvintes e baseada numa comparação cujo ponto de partida era as línguas de modalidade oral. Hoje em dia, a aceitação das línguas gestuais, enquanto verdadeiras línguas naturais é um dado adquirido. A ASL é a língua gestual mais estudada no mundo e os surdos americanos atingiram níveis de conhecimento científico que lhes permitiram participar e liderar investigações sobre a sua própria língua cf. Supala (3-BoSuNeBa04)and Padden (4-PaHu05) entre outros. Em Portugal, a situação é bem diferente. A LGP foi oficialmente reconhecida em 1997 mas ainda não existem surdos portugueses com formação universitária. No Brasil, um outro país de língua portuguesa, a situação é um pouco diferente, pois apesar do reconhecimento oficial da Libras ter sido em 2005, já existem alguns surdos com formação a nível de Mestrado e Doutoramento que participam em investigações sobre a sua própria língua. Em ambos os países, as políticas educativas inclusivas preconizam uma partilha de espaço de aula e de docência com os pares ouvintes. Os docentes confrontam-se com a necessidade de leccionar para ambos os grupos não tendo materiais, nem formação, nem pesquisa feita de forma a promover a verdadeira equidade entre os dois grupos (surdos e ouvintes) e a inclusão sócio-cultural do grupo surdo. É importante referir que os materiais de apoio ao ensino de surdos (e.g. dicionários, glossários, etc.) têm sido elaborados, nas línguas gestuais com base em princípios de categorização (no caso dos produtos onomasiológicos) e em princípios de ordenação alfabética (no caso dos produtos semasiológicos) próprios das línguas orais. Existem diferenças reportadas na literatura relativamente à forma de categorizar dos surdos e dos ouvintes. Também é de salientar que as línguas gestuais ainda não têm um sistema de escrita consensualmente adaptado pelo que a ordenação das entradas nestes produtos se torna problemática. A questão central deste estudo focaliza-se na forma como os surdos falantes de LGP e Libras categorizam os referentes do mundo. Partindo de um estudo comportamental com três tarefas sobre categorização determinaremos se existem diferenças na forma de categorizar entre o grupo surdo e o grupo ouvinte. Posteriormente será realizado um estudo imagiológico, onde surdos e ouvintes irão categorizar os referentes sem a mediação da língua. O presente estudo pretende fornecer um modelo de carácter lexicológico para a elaboração de materiais lexicográficos aplicados ao ensino para os surdos, partindo de uma pesquisa comportamental e neurolinguística. A originalidade e pioneirismo deste estudo reside na aplicação de um modelo transdisciplinar oriundo da psicologia e da biologia para chegar a resultados aplicáveis à linguística e à educação de surdos. A articulação interdisciplinar é possível tendo em conta os interesses científicos convergentes na área da linguagem dos membros desta equipa e a sua formação em áreas diferenciadas. Ana Mineiro é linguista e especializada em neurolinguística e será responsável pela articulação do trabalho interdisciplinar. Sandra Faria, especialista em linguística das línguas gestuais será co-responsável pela coordenação do estudo no Brasil. Alexandre Castro Caldas, investigador sénior com reconhecimento internacional na área da Neuropsicologia e da Neurolinguística será responsável pela validação do desenho experimental imagiológico. A sua posição enquanto consultor da Rede SARAH, no Brasil e as suas relações privilegiadas como IBILI (Coimbra) assegurarão o sucesso desta dimensão do trabalho. Maria Vânia Nunes, neuropsicóloga contribuirá para o desenho experimental das tarefas comportamentais e imagiológicas e será responsável pelo tratamento estatístico das mesmas. Margarita Correia e Carles Tebé, linguistas, contribuirão, em conjunto com Marianne Stumpf (surda) e Liliana Duarte (intérprete de LGP), para o desenho de um modelo lexicológico tendo em conta os resultados comportamentais e de neuro-imagem funcional. A equipa de consultores irá acompanhar o projecto nos diferentes eixos de intervenção. A participação de surdos será assegurada em todas as fases do projecto.

Abstract

Sign languages have long been considered “unnatural languages”, that is, unstructured linguistic systems, categorized and labeled as pantomimic communication systems. When Stokoe in his seminal work (1-St78-60) demonstrated that sign languages were truly linguistic systems, a new era of research began, followed and stimulated by others like Poizner et al. (2-PoKiBe90). The scientific work carried out by these researchers attempted to rise similarities and differences between spoken-oral languages on one side, and visual-sign languages on the other side, either in their linguistic organization (description, classification and analysis of linguistic data) or their neurolinguistic organization trying to identify differences between the deaf and hearing brain. At this stage, most research were carried out mainly by hearing people, and based on systematic comparison of the two modalities assuming oral language as a starting point. Nowadays, ASL is the most studied sign language in the world, and American deaf people have reached levels of scientific knowledge that allow them to lead research on its own language,like Supalla(3-BoSuBa04) or Padden (4-PaHu05) among others. In Portugal LGP was only officially recognized in 1997. Therefore, it is difficult to find deaf Portuguese people with university degrees. In Brazil, the situation is a bit different, although the official recognition of LSB or Libras is also very recent (2005). However, there are some deaf people with higher educational degrees that participate in researches on their own language In both countries, educational policies favor a common space of teaching shared by both deaf and hearing students. In this situation, professors face the challenge of teaching both groups at the same time, without appropriate materials and not having adequate preparation, which seriously compromises the advancement of deaf people. It is important to stress again that lexical resources used in these classrooms (e.g. dictionaries, glossaries, etc.) have been created according to theoretical and methodological principles underlying oral languages: alphabetical ordering in semasiological products, classical categorization in the case of onomasiological products). A literature review on these topics shows important differences in the categorization principles between oral and sign languages. It is also important to point out that sign languages do not share a common written code with other sign languages which means that lexical ordering in lexicographical products has become a problematic issue. The present study aims to provide methodological principles for the elaboration of lexicographical resources directed towards the education of deaf people, on a behavioral and neurolinguistic basis. The originality of this study can be found in the application of psychological and biological studies in order to arrive at the aimed results for the education of deaf people. The key point of this study is focused in the categorization principles of LGP and LSB speakers. On the basis of a psychophysiological study with three categorization tasks, we will try to determine if there are substantial differences in categorization between the deaf group and the hearing group. A further functional imaging study will be carried out, where deaf and hearing people will perform different categorization tasks without any linguistic elicitation. This project is both interdisciplinary (involving linguistics, deafness, biology, psychology and education) and multidisciplinary. The complementary competence and skills of the research team makes possible to handle this study. Dr. Mineiro, a linguist with a post-doctoral position in neurolinguistics, will co-ordinate the project and be responsible for articulating the interdisciplinary work. Dr. Castro-Caldas, a senior researcher with international recognition in neuropsychology and neurolinguistics, will be responsible for the validation of the functional imaging experimental design; his position as consulting of the SARAH network and his relationship with IBILI will assure the fulfillment of this dimension of the study. Dr. Nunes, will contribute as a neuropsychologist to the behavioural and functional imaging experimental design, as well as to the statistical analysis of the data. Dr. Faria, a specialist in linguistics of sign languages and education of deaf people will co-ordinate the study in Brazil. Dr. Correia and Dr Tebé both linguists and specialists in lexicography and knowledge representation will contribute to the design of a lexicological model applicable to the dictionaries used by deaf people. Their task will take into account the results obtained in the previous stage of the research and the privileged know-how of Dr Stumpf (Deaf Consultant) and MA Duarte (LGP fluent). The consultant team will perform different functions in different stages of the project and will include deaf native speakers. The deaf people participation in this project ensures that deaf perspectives will be represented at all stages of the proposed research.

Este projecto não foi financiado pela FCT mas encontra-se em fase de arranque e conta com a colaboração efectiva de três outros investigadores, Doutora Ana Margarida Abrantes, Mestre Joana Castelo Branco e Amílcar Morais.

1.2.2.
AQUI_LGP: Corpus Longitudinal da Aquisição da Língua Gestual Portuguesa
AQUI_LGP: Longitudinal Corpus on Portuguese Sign Language Acquisition PTDC/CLE-LIN/111889/2009

AQUI_LGP: Corpus Longitudinal da Aquisição da Língua Gestual Portuguesa
AQUI_LGP: Longitudinal Corpus on Portuguese Sign Language Acquisition

Resumo Português

Durante largos anos, acreditou-se que as línguas gestuais não eram verdadeiras línguas naturais, ou seja, não eram sistemas linguísticos estruturados, sendo, por isso, relegadas para segundo plano e etiquetadas de sistemas pantonímicos de comunicação.
Quando Stokoe (1960), num trabalho seminal provou que as línguas gestuais são verdadeiros sistemas linguísticos sofisticados e estruturados, abriu-se uma nova linha de investigação impulsionada por Poizner, Klima e Bellugi (1990), na tentativa de descobrir semelhanças e diferenças entre as línguas de modalidade oral e as línguas de modalidade gestual. Entre estes trabalhos, poder-se-ão destacar três linhas distintas: os trabalhos linguísticos (descrição, classificação e análise) como aqueles que foram levados a cabo por Sandler e Lillo Martin (2006) e Aronoff, Meier e Sandler (2005) entre outros, os trabalhos neurolinguísticos de Bellugi e Klima (1975) entre outros, e os trabalhos psicolinguísticos.
No campo da psicolinguística, Petitto e Marententte (1991) demonstraram a existência de “organização silábica” – consistindo na abertura e fecho rítmico das mãos - no balbucio manual de crianças surdas, filhas de pais surdos, expostas à Língua Gestual Americana (ASL). Estudos mais recentes, como aqueles que foram conduzidos por Spencer e Harris (2006) apelam para variações no processo de aquisição da linguagem, consoante a modalidade. Tais variações sustentariam a variedade cognitiva, neuropsicológica e psicolinguística apresentada em estudos que envolvem adultos Surdos.
O objectivo principal deste projecto é o de iniciar o desenvolvimento de estudos no âmbito da aquisição precoce da Língua Gestual Portuguesa (LGP). Em Portugal e até à data, não existe nenhum corpus de aquisição da LGP. A nossa investigação torna-se possível tendo em conta a equipa de investigação multidisciplinar e a experiência que esta detém na área em causa.
O estudo de um trabalho exploratório longitudinal de aquisição da LGP por uma criança portuguesa Surda, filha de pais Surdos desenvolvido por uma investigadora Surda neste projecto, Patrícia Carmo (2009) e orientado por Ana Mineiro (IR neste Projecto) e Joana Castelo Branco (Mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Investigadora neste Projecto), permitiu-nos estabelecer uma metodologia para continuar a desenvolver a investigação com uma amostra maior.
Também contamos com a participação de Ronice Muller Quadros, investigadora muito experiente na área da aquisição das línguas gestuais e investigadora principal no projecto CHILDES (consistindo este na recolha de um corpus bilingue - American Sign Language (ASL) e Língua Brasileira de Sinais (LSB) - desenvolvido em três laboratórios internacionais - Universidade de Gallaudet, Universidade de Connecticut e Universidade Federal de Santa Catarina).
Constituímos ainda nossa equipa multidisciplinar, com a participação de Alexandre Castro Caldas, médico e investigador internacional na área do cérebro e linguagem, assim como com a participação da Maria Vânia Nunes, psiccóloga e doutorada em neurociências. O facto de contarmos com duas investigadoras Surdas, falantes nativas de LGP (a mestranda Patrícia Carmo e a Isabel Morais) permite-nos destrinçar gestos linguísticos de gestos não linguísticos assim como classificar os dados recolhidos com validade.
Utilizando assim uma metodologia comum e já testada no Projecto CHILDES, registaremos a aquisição de cinco crianças em fase de desenvolvimento da linguagem (e.g. uma criança Surda filha de pais Surdos, uma criança Surda com implante coclear – antes e pós implante-, filha de pais Ouvintes, uma criança Surda, filha de pais Ouvintes e uma criança Ouvinte filha de pais Surdos e ainda uma criança Ouvinte, filha de pais Ouvintes).
Pretendemos deste modo realizar uma recolha longitudinal com crianças adquirindo a LGP em dois contextos: (i) aquisição monolingue da LGP e (ii) aquisição bilingue e bimodal da LGP e da LP.
Este trabalho é particularmente importante tendo em conta que o estudo da aquisição da linguagem por crianças Surdas portuguesas deverá levar primordialmente a uma reflexão sobre o modo como a aprendizagem e ensino destas crianças com esta privação sensorial se deve desenrolar. Tendo em conta que a moldura legal no âmbito escolar é a do ensino inclusivo, torna-se socialmente relevante proporcionar oportunidades equivalentes e adequadas às crianças Surdas, estudando assim a aquisição da sua língua e o seu desenvolvimento.
Por outro lado, com a emergência recente em Portugal de crianças surdas implantadas, deverá ser estudado o processo de aquisição bimodal, no sentido de observar como será o desenvolvimento linguístico e cognitivo destas crianças para sobre ele reflectir no sentido de criar ferramentas próprias para balizar e intervir quando necessário. Salientaremos ainda o pioneirismo deste estudo que se assume como a primeira recolha de dados da aquisição da LGP.

Abstract

When Stokoe (1960), in his seminal works, demonstrated that sign languages were truly linguistic systems, a new line of research emerged, with researchers like Poizner, Klima and Bellugi (1990) attempting to unveil similarities and differences between languages of an oral modality and those of a visual spatial/gestural modality. Amidst all the work produced so far, one can distinguish three separate lines of research: linguistic work (description, classification and analysis), such as those carried out by Sandler and Lillo Martin (2006) and Aronoff, Meier and Sandler (2005), neurolinguistic works by Bellugi e Klima (1975), and psycholinguistic work. In the field of psycholinguistics, Petitto and Marententte (1991) proved the existence of a “syllabic organization” – corresponding to the rhythmical opening and closing of the hands – in the manual babbling of deaf children of Deaf parents, exposed to American Sign Language (ASL). More recent studies approach variations in the language acquisition process, depending on modality, such as those conducted by Spencer and Harris (2006). Such variations can substantiate the cognitive, neuropsychological and psycholinguistic variety seen in studies involving Deaf adults.The main goal of this project is establishing research concerning precocious acquisition of Portuguese Sign Language (LGP). In Portugal, until today, there is no LGP acquisition corpus whatsoever. A research project towards this subject is now finally made possible through gathering up a multidisciplinary team of experienced researchers. For this project, we were able to establish some methodology made possible due to an ongoing exploratory longitudinal work on LGP acquisition carried out by a Portuguese Deaf researcher - Patrícia Carmo (2009) under the supervision of Ana Mineiro (IR in this project) and Joana Castelo Branco (with a Masters on Developmental Psychology and a researcher on this project). Such study focuses on LGP acquisition in a child of Deaf parents. Also part of this project is Ronice Muller Quadros, an extremely experienced researcher in the area of sign language acquisition, and also main researcher at project CHILDES (collection of a bilingual corpus - American Sign Language (ASL) and Brasilian Sign Language (LSB) – developed in three international laboratories – Gallaudet University, University of Connecticut and Federal University of Santa Catarina).Alexandre Castro Caldas, PhD and MD and a renowned international researcher in the field of brain and language, is part of our multidisciplinary team, as well as Maria Vânia Nunes, a psychologist with a PhD in neuroscience. The fact that we also have the participation of two Deaf LGP native researchers (the master’s student Patrícia Carmo and researcher Isabel Morais) will allow us to differentiate linguistic visual communication (LGP) from non linguistic visual communication (gesture), as well as will provide us with the ability to classify the data collected, assuring data validity. We will be using a common methodology route, already tested by project CHILDES: we will register acquisition on five children during language development period (e.g. one Deaf child of Deaf parents, one Deaf child of hearing parents with a cochlear implant –before and after implantation -, one Deaf child without implant one hearing child both of hearing parents, child and one hearing child of Deaf parents).In this way we will obtain longitudinal data concerning children who acquire LGP in two separate contexts: (i) LGP monolingual acquisition and (ii) LGP and LP bilingual and bimodal acquisition. This work is particularly relevant because studying language acquisition in Portuguese Deaf children will lead to a profound reflexion on the ways learning and teaching should preferentially occur for the Deaf. In a country where the legal education framing for the Deaf is the inclusive model, not only does it become socially relevant to provide Deaf children with equal opportunities to those hearing children are given, but it is also important to make the adequate methodology and learning environments available. Studying deaf children’s language acquisition and general development is the best way of coming up with a valid corpus which can shed some light into the matter of how to educate them best. On the other hand, with the recent emergence of Deaf children with cochlear implants in Portugal, it is urgent to also include in this study the bimodal acquisition process, in order to observe cognitive and linguistic development in implanted deaf children. This situation is as relevant as the previous one, and to develop the ability of thinking through the education of implanted children’s is imperative, as well as it is to become able to create the adequate tools to devise limits and adequate intervention. Finally, we emphasize this project’s pioneering nature as it the very first acquisition corpus on LGP.
Este projecto encontra-se em fase de avaliação.

1.3.
Projecto da PRO_LGP

Como projecto central envolvendo os alunos desta Turma Piloto, criámos o Observatório de Neologia Terminológica, intitulado OBSERVA_ LGP.

Este projecto prevê registar os novos gestos que se vão criar aquando do ensino e aprendizagem das Unidades Curriculares que compõem a Licenciatura PRO_LGP. No final será elaborado um glossário terminológico com os gestos nascidos nesta comunidade académica.

A Investigadora Principal deste projecto é a Prof. Doutora Ana Mineiro e a Coordenação Linguística para a LGP é da responsabilidade de Amílcar Morais.